Vai deixa de tristeza e deixa o sonho te levantar, acredite que é possível ainda hoje uma virada, acredite que tudo foi apenas um engano, mantenha a rota do seu barco da vida, não desista novamente, as pedras são apenas restos que a chuva trouxe... amar, viver, sonhar, acreditar, lutar e até o chorar, são fases que compõem o grande quadro chamado vida, onde a tela é a sua história, as tintas são as pessoas que passam por ela, mas, o pintor, o responsável pela obra é sempre você! (Autor desconhecido)

sábado, 5 de fevereiro de 2011

A Ordem Negra

A História inicia no final da Segunda Guerra Mundial, quando alemães estão deixando às pressas a cidade-fortaleza de Breslau, na Polônia, enquanto são atacados pela artilharia russa. Nos últimos meses da Segunda Guerra, quando a Alemanha caiu, teve início uma nova guerra entre os Aliados para pilhar a tecnologia dos cientistas nazistas. O Comandante Alemão da SS Jakob Sporrenberg, junto com sua unidade especial de evacuação, caminham por entre a canalização subterrânea de esgoto a fim de fugir dos aliados russos. Junto levam caixotes enormes e uma cientista de sangue misto Mischlinge (parcialmente judia), chamada Tola, que carrega nos braços um bebê que fazia parte de um projeto secreto nazista. No final do túnel, uma embarcação os aguarda para levá-los. Tola, que teve o pai, Hugo Hirszfeld, assassinado assim como todos os demais cientistas envolvidos no projeto, decide se matar e ao bebê, se atirando na água, mas seu extinto de sobrevivência é mais forte e a impulsiona a seguir até um local seguro. Depois que os nazistas se vão, ferida por um tiro, ela consegue reunir o restante de suas forças e ruma até a Catedral local, onde acaba falecendo e deixando o bebê entregue à própria sorte. Daí por diante a história se desenrola dividida em quatro locais. Himalaia, Copenhague na Dinamarca, Zululândia na África do Sul e Washington D.C.

No Himalaia, é solicitado o auxílio da Força Sigma, uma organização do Departamento de Defesa dos E.U.A, para checar a ocorrência de acontecimentos estranhos na região onde fica um mosteiro nas montanhas, perto do Everest. Pessoas estão ficando psicóticas e morrendo misteriosamente. Na falta de médicos locais, um monge pede ajuda para uma jovem médica que se encontra acampada no Everest, e ao chegarem no local, descobrem que a situação é muito mais complicada do que imaginavam.

Em Copenhague, um agente da Força Sigma foi designado para investigar um crescente interesse por parte de organizações terroristas, sobre documentos que pertenceram a cientistas da era vitoriana, entre eles uma Bíblia que fora de Charles Darwin. Na pista dos documentos, o comandante Gray Pierce percorre algumas das livrarias locais deixando por último a que tem a propriedade da Bíblia de Darwin. Apesar de sua experiência de campo, ele não esperava os acontecimentos que se desenrolariam dali por diante.

Na Zululândia um jipe conduzido pelo guarda-caça Khamisi, leva a Dra. Márcia Fairfield até o local onde provavelmente encontrariam um rinoceronte negro, fêmea, que havia morrido durante o parto. Eles precisavam salvar ao menos o filhote desta espécie já tão dizimada pelos caçadores. No local, uma depressão com vegetação densa e água, nas imediações da reserva privada da família Waalenberg, eles encontrarão algo muito fora do normal.

Em Washington, dois agentes da Força Sigma são chamados por Logan Gregory, líder operacional da missão do comandante Pierce em Copenhague, para auxiliar nos acontecimentos recentes.

No desenrolar do livro a história vai se afunilando até todos os personagens se encontrarem em meio aos misteriosos acontecimentos, que remontam a época da Alemanha nazista, quando projetos e experiências científicas criaram algo, que nas palavras do cientista Hugo Hirszfeld era “lindo demais para deixar morrer e monstruoso demais para ser revelado”.

Num estilo que lembra Dan Brown, o livro contém uma dose de história, ocultismo e suspense, que vão se entrelaçando neste thriller envolvente. Também como Dan Brown, o livro toca num assunto delicado e cheio de controvérsias, nossa existência em relação a Deus.

Um pensamento meu
Cada um tem opiniões diferentes, mas eu vejo o seguinte depois de tantas leituras: Existem pessoas obcecadas em arranjar explicações para nossa existência, não se dando conta que não importa como exatamente surgimos, mas sim o que fazemos com nossas vidas e a dos outros, o que inclui o planeta como um todo. Antes de ficarem na eterna dialética sobre temas que não vão mudar nada, as pessoas deveriam realmente ser mais “humanas” e se importar de verdade com os demais seres vivos.


Imagem de Mariana Britto
Sigo andando a passos largos...
...sem rumo e sem destino, apenas observando o que se passa e o que passou, o conhecimento traz prazer mas também traz dor.
Jade

Postagens populares